Vinhos brancos totalmente sem sulfitos (com muito amor da Quinta da Palmirinha)

Os vinhos da Quinta da Palmirinha deixam no palato todo o amor que o seu produtor, o professor Fernando Paiva, devota à terra e à vinha. Venha descobrir estes vinhos naturais e biológicos, totalmente sem sulfitos.

A Quinta da Palmirinha situa-se no vale do Sousa, no concelho de Felgueiras, e vem sendo zelada pelo seu proprietário, Fernando Paiva, desde que se reformou da actividade de professor de História e de Português para produzir vinhos biológicos. Numa propriedade com vista para as Serras do Marão e do Alvão, o professor replantou as castas regionais Azal, Loureiro e Arinto que dão forma aos vinhos brancos da Quinta da Palmirinha que são comercializados pela Virgu Wines. Duas amostras perfeitas de vinhos naturais, sem traços de sulfitos, reflectindo o que de melhor a vinha nos pode dar.

O professor Fernando Paiva começou por dedicar-se à agricultura biológica, apostando numa produção sustentável e de qualidade, mas em 2001, começou a virar-se para a agricultura biodinâmica. Foi então que contactou directamente com alguns dos grandes mestres deste tipo de viticultura, como o guru da agricultura biodinâmica Pierre Masson. Em 2007, obteve a Certificação DEMETER, tornando-se no primeiro produtor biodinâmico certificado em Portugal.

Fernando Paiva, vigneron da Quinta da Palmirinha

Os vinhos produzidos na Quinta da Palmirinha são feitos, actualmente, sem sulfitos (dióxido de enxofre), fazendo jus ao espírito que domina o professor, movido pela aposta na união perfeita entre minerais, vegetais e animais.

Apesar de os padrões certificados da agricultura biodinâmica permitirem o uso de uma quantidade mínima de sulfitos, Fernando Paiva decidiu começar, gradualmente, a substituí-los por flor de castanheiro, apostando nos seus efeitos antioxidantes e anti-microbianos, acompanhando uma investigação que o Instituto Politécnico de Bragança fez com queijos.

Em 2017, Fernando Paiva passou a produzir o seu vinho todo com flor de castanheiro, prescindindo definitivamente dos sulfitos. A flor de castanheiro é colhida por volta do mês de Julho e transformada em pó, para ser adicionado como conservante ao mosto no processo de fermentação. O resultado são vinhos totalmente naturais, repletos de carácter e preservando grande qualidade.

A agricultura biodinâmica é mais uma filosofia e um modo de vida do que propriamente uma técnica de viticultura, seguindo o calendário lunar e orientando-se pelo respeito pelo solo e pelo ambiente. As abelhas e galinhas são moradores permanentes da Quinta da Palmirinha, fazendo-se uso das suas características peculiares para enriquecer a vinha numa propriedade onde também é produzido sumo de uva e de maçã.

O professor Fernando Paiva aposta numa produção pequena, com quantidades muito limitadas, para preservar o necessário equilíbrio da terra e para garantir vinhos com personalidade, repletos do carácter indomável das gentes do Tâmega e do Sousa.

Frescos e aromáticos, estes vinhos brancos da Quinta da Palmirinha são uma óptima escolha para acompanhar desde assados, aves e bacalhau até frutos do mar, mariscos e saladas. Ou, simplesmente, para acompanhar um bom livro na varanda, à espera de um amanhã melhor.

Clique para ver os vinhos:

Deixe uma resposta