Joaquim Arnaud faz vinhos com história por dentro e por fora

Vinhos com o sabor da tradição e com um toque de sofisticação. É o que o produtor Joaquim Arnaud oferece com a sua gama de vinhos premium que preenche plenamente a estratégia da garrafeira Virgu Wines e que passa por apostar na diversidade com qualidade.

Joaquim Arnaud, que tem o seu “quartel-general” em Pavia, no concelho de Mora, no Alto Alentejo, é um dos grandes produtores de vinho nacionais da actualidade – grande na qualidade e não na quantidade, diga-se. Porque este projecto vinícola passa precisamente, por uma produção de tipo limitado e com recurso a práticas artesanais que garantem um produto final sofisticado e único.

Os vinhos premium de Joaquim Arnaud, que estiveram em destaque no simplesmente… Vinho 2017, têm feito sucesso tanto dentro de portas como lá fora, conquistando nomeadamente os mercados de Inglaterra e Hong Kong. E estão agora, ao dispor dos visitantes da Virgu Wines como excelentes amostras do melhor que o terroir alentejano tem para oferecer.

Joaquim Arnaud homenageia antepassados

Esta história de família – porque falamos de um produtor cujas raízes familiares, em Pavia, remontam a 1640 – recebeu um decisivo cunho pessoal de Joaquim Arnaud quando este decidiu lançar a marca com o seu nome.

A gama de vinhos Arundel foi lançada como uma homenagem aos antepassados familiares, designadamente a Guilherme Arnao, um descendente dos Condes de Arundel que acompanhou a princesa D. Filipa de Lencastre desde Inglaterra, instalando-se em Portugal como seu mordomo-mor. Arnao acabou por morrer na batalha de Alfarrobeira, ao lado de D. Pedro, deixando a sua marca nos descendentes Arnaud.

Do lote destes vinhos únicos de Joaquim Arnaud, a Virgu Wines destaca nas suas prateleiras o Arundel T&T 2012, um tinto de autor de estrutura complexa, e o Arundel 36 2009, uma edição limitada de 499 garrafas que esteve em estágio em barricas de carvalho francês durante 36 meses (o que explica o número no nome!).

Este Arundel 36 tem uma história verdadeiramente “hollywoodesca“, já que andou “perdido” na adega, por causa de um incêndio, só tendo sido descoberto, em 2013, aquando de uma visita do artista francês Pierre Gonnord a Pavia.

A situação foi tão marcante para o produtor e para o artista que estes dois vinhos, feitos a partir das castas Aragonez, Syrah, Trincandeira e Alicante Bouschet, têm no rótulo fotografias de raízes de videira, captadas a vinte metros de profundidade, por Pierre Gonnord.

Do tinto ao Moscatel de Setúbal…

A Virgu Wines disponibiliza ainda, aos seus visitantes o Arundel Great 2008, um tinto de classe, adulto e muito marcado pelo terroir alentejano e que é mais um Joaquim Arnaud limitado, com apenas 400 garrafas; e também o Arundel Petit Tinto 2012 que é feito a partir de uvas de uma vinha de sequeiro que cresceu, nos últimos 20 anos, em modo de produção biológica.

Os apreciadores de espumante podem ainda encontrar o Espumante Joaquim Arnaud 2008 que deve as suas características frutadas, leves e elegantes às uvas Chardonnay, cultivadas nos solos franco-argilosos da zona da Lourinhã, sob influência do Atlântico.

E seria impossível não ter na garrafeira da Virgu Wines o Moscatel de Setúbal Joaquim Arnaud, um vinho de perfil cítrico e jovem, com um travo irresistível de frescura adocicada no final de boca. Para apreciar com os doces da sua preferência, mas sem abusar!

Deixe uma resposta